Total de visualizações de página

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

"AURORA DOS TEMPOS"

Dentre algumas hqs que realizei sob encomenda, AURORA DOS TEMPOS é uma das minhas preferidas. Gosto de pensar nela como um mini-épico. Não tanto pela arte, que como sempre tem uma série de defeitos que só consigo visualizar depois de impressos, mas pelo tema. É na verdade uma história de amor, com momentos de violência hardcore é verdade, mas tendo como pano de fundo idéias concernentes à arte, responsabilidades e escolhas. Um tanto ambicioso para uma hq erótica? Sem dúvida, mas "pretenção" deveria ser o meu segundo nome.
Depois do sucesso de Escolha Maldita ( aquela dos cangaceiros ), o editor me pediu outra, e eu aproveitei pra colocar no papel um desejo que eu acalentava a tempos :  Contar uma história ambientada no período pleistoceno.
Como toda narrativa romântica envolve um casal central, não seria de bom tom caracteriza-los como neandertais, tinham que ser bonitos para atrair o público alvo que consome quadrinhos eróticos, usei então um recurso semelhante a "One Million Years B.C.", o clássico protagonizado por Raquel Welch, só que mais sombrio ( pelo menos imagino que seja ).
Na ação, Targo, o protagonista, reluta entre sua vocação ( ele cria pinturas nas paredes das cavernas ) e o desejo de seu pai, que quer que ele o suceda na liderança da tribo. Há ainda a pressão de Xênia, a mulher que ele ama, pois ela quer o status de esposa do chefe, além de se sentir preterida pela arte do amado. Pra piorar, Karnak, um caçador renegado se interpõe entre eles, e as tragédias se sucedem.
Parece romance de folhetim não é?  Ééééééé..... mas isto podia ser bem legal, pensava.
Ganhei até bem pela obra, mas infelizmente houve uma mudança de editora, o formato da revista diminuiu, houve falhas gravíssimas de revisão, e nunca soube se vendeu bem. Nem sei se houve boa distribuição, pois nunca vi esta revista em bancas. Já me indagaram sobre ela, e como estas editoras não existem mais, acredito que quem possua um exemplar, tenha um ítem raro nas mãos. Não digo isto apenas por causa do meu "mini-épico", mas porque fui acompanhado naquela edição por feras como Eugênio Colonnese, Rodolfo Zalla e Watson Portela.
Procurei no meio da minha papelada pelos originais e não encontrei. Acredito que estejam ainda com o editor, por isto tive que escanear as páginas da única edição que possuo. Creio que seja suficiente pra vocês terem uma idéia.
Fiquem bem.









4 comentários:

  1. Essa historia é show!! um show de arte e de roteiro! parabéns, cara!!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Netão. Foi você que escaneou as páginas pra eu enviar a São Paulo, lembra?
    Muita coisa eu não teria conseguido se não fosse a sua ajuda.
    Abração.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom, Eduardo! Ótimo desenho, bonito e dinâmico! Parabéns!

    ResponderExcluir